Raquel Santana Santos

Atuação Profissional: 

Professora Doutora do Departamento de Lingüística da USP

Formação Acadêmica: 

• Bacharelado em Lingüística, Universidade Estadual de Campinas, Brasil (1993)

• Licenciatura em Letras, Universidade Estadual de Campinas, Brasil (1993)

• Mestrado em Lingüística, Universidade Estadual de Campinas, Brasil (1995)

• Especialização em Lingüística, Cornell University, USA (1997)

• Especialização em Lingüística, University of Southern Califórnia, USA (1998)

• Doutorado em Lingüística, Universidade Estadual de Campinas, Brasil (2001)

• Livre-docência pela Fac. de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, FFLCH - USP, Brasil (2007).
 

Possui graduação em Letras e Lingüística pela Universidade Estadual de Campinas (1993), mestrado (1995) e doutorado (2001) em Lingüística pela Universidade Estadual de Campinas e Livre-Docência pela Universidade de São Paulo (2007). Fez parte de seu doutorado na University of Southern California - USA (1998-1999) e pós-doutorados na Radboud Universiteit Nijmengen - Holanda (2004-2005,2007). Atualmente é participante de grupos de pesquisa da Universidade de São Paulo e da Universidade Estadual de Campinas, de projeto temático na Universidade de São Paulo, e coordenadora um grupo de pesquisa em Aquisição do Ritmo, além de ser professora do Departamento de Lingüística da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Lingüística, com ênfase em Psicolingüística, atuando principalmente nos seguintes temas: fonologia, aquisição da linguagem, aquisição, ritmo e aquisição fonológica.

• Bacharelado em Lingüística, Universidade Estadual de Campinas, Brasil (1993)

• Licenciatura em Letras, Universidade Estadual de Campinas, Brasil (1993)

• Mestrado em Lingüística, Universidade Estadual de Campinas, Brasil (1995)

• Especialização em Lingüística, Cornell University, USA (1997)

• Especialização em Lingüística, University of Southern Califórnia, USA (1998)

• Doutorado em Lingüística, Universidade Estadual de Campinas, Brasil (2001)

• Livre-docência pela Fac. de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, FFLCH - USP, Brasil (2007).

Contato: 

Endereço acadêmico
Av. Professor Luciano Gualberto 403
Sala 23, Prédio das Letras
Fone: 11- 3091-4298
e-mail: raquelss@usp.br

Linha de pesquisa, grupos e projetos: 

Análise dos sistemas fonético e fonológico
Estudos dos processos de aquisição de língua

 

Linha de pesquisa: 

Minha pesquisa se concentra nas áreas de Fonologia e Aquisição da Linguagem.

Objetivos da Fonologia e da Aquisição da Linguagem

O objetivo da Fonologia é discutir como se organiza o sistema de sons de uma língua, quais seus fonemas e que processos fonológicos nela ocorrem. Neste sentido, por muito tempo os estudos concentraram-se apenas nos aspectos segmentais da língua. Somente nos últimos anos é que outros elementos constitutivos da organização do sistema fonológico começaram a receber maior atenção: a entonação, o ritmo, a acentuação.

O objetivo da Aquisição da Linguagem é discutir como as crianças, em um período tão curto, aprendem a língua a que estão expostas, sem nenhuma instrução formal. A investigação sobre esse processo de aquisição incorpora tanto os avanços da psicologia e biologia quanto as propostas teóricas desenvolvidas pela Lingüística.

 

Aquisição da Linguagem e Fonologia

Meu interesse específico em Aquisição da Linguagem é discutir como as crianças adquirem aspectos prosódicos da língua. No trabalho com Fonologia, interesso-me pelas interfaces do sistema fonológico com a sintaxe.

Em minha dissertação de Mestrado, tratei da Aquisição da Categoria Funcional dos Determinantes. Defendi que essas categorias são precedidas, nos enunciados das crianças, por segmentos vocálicos que têm não somente a função de proto-morfemas, mas também de preenchedores entoacionais.

Minha tese de Doutorado trata da questão da Aquisição do Acento Primário em Português Brasileiro, numa perspectiva gerativa. Proponho que a criança usa diferentes estratégias para ancorar a marcação de proeminências de seus enunciados enquanto ainda não adquiriu o algoritmo responsável pela atribuição do acento lexical. Discuto em detalhes quatro estratégias: ancoragem nos contornos entoacionais, fixação de contorno, acento rítmico e uso da extrametricidade.

Além do meu interesse pela aquisição, o trabalho com a fonologia prosódica levou-me a investigar a interface sintaxe-fonologia. A fonologia prosódica defende que outros módulos gramaticais influenciam, indiretamente, o mapeamento fonológico. Meus trabalhos investigam como categorias sintáticas fonologicamente vazias influenciam a marcação rítmica dos enunciados.

___________________

Atualmente, trabalho nos seguintes projetos de pesquisa:

2007 - Atual - A estrutura prosódica das palavras iniciais das crianças

Descrição: Desde o final dos anos 70 os trabalhos sobre aquisição de fonologia têm discutido a forma prosódica das palavras iniciais das crianças (cf. Allen & Hawkins 1978; 1980, Echols & Newport 1982; Ingram 1974, entre outros). Muitos deles defendem uma tendência trocaica (isto é, forte fraca) inata, que seria responsável pela grande produção de dissílabos paroxítonos na fala infantil, mesmo em línguas cujo padrão de acento é o iambo (isto é, fraco forte) (cf. Demuth 1996, Demuth & Fee 1996, entre outros). No entanto, estes resultados não são consensuais. Na década de 80 alguns estudos sobre o inglês argumentaram que não haveria uma tendência inicial, sendo possível encontrar troqueus e iambos (cf. Hochberg 1988ab, entre outros). Além disso, nos últimos anos vários alguns estudos têm apontado uma tendência iâmbica na aquisição de algumas línguas (cf. Pater 1997, Santos 2001, entre outros). A explicação para a variação nos resultados encontrados involve diferentes aspectos. Quando comparamos os diversos estudos, vemos que há utilização de diferentes metodologias que podem, em princípio, influenciar os resultados - ou análises de línguas com diferentes padrões acentuais (línguas cuja forma alvo é um troqueu inglês, holandês ou um iambo o francês). Além disso, há alguns estudos que defendem que as tendências podem ser devidas a diferenças entre as crianças adquirindo a língua em questão (Pater 1997), ou que a fala dirigida à criança neste caso, o padrão prosódico mais freqüente que a criança ouve afeta a ordem de aparecimento dos padrões prosódicos. Tendo em mente este quadro controverso, este projeto pretende trazer mais luzes para a discussão ao efetuar uma análise comparativa detalhada entre os dados de aquisição do português brasileiro e do holandês. A questão norteadora desta pesquisa será tentar responder se a tendência trocaica é inata ou específica da língua a ser adquirida analisando as formas prosódicas das primeiras palavras produzidas por crianças a.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Integrantes: Raquel Santana Santos - Coordenador.
Financiador(es): Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - Bolsa.

2006 - Atual - Sintaxe gerativa do português brasileiro na entrada do século XXI: minimalismo e interfaces

Descrição: projeto temático. sou um dos pesquisadores principais. o projeto envolve doutorandos, doutores, pós-doutorandos, e professores.
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Alunos envolvidos: Doutorado ( 3) .
Integrantes: Mary Aizawa Kato - Integrante / Jairo Morais Nunes - Coordenador / Raquel Santana Santos - Integrante.
Financiador(es): Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - Auxílio financeiro..

2002 - Atual - Interfaces entre componentes e aquisição da prosódia

- coord. Ester Mirian Scarpa
Descrição: O projeto trata da discussão da aquisição de aspectos prosódicos e sua relação com diferentes componentes gramaticais..
Situação: Em andamento; Natureza: Pesquisa.
Integrantes: Ester Mirian Scarpa - Coordenador / Raquel Santana Santos - Integrante.

Publicações: 

Teses e Dissertações

• Dissertação de Mestrado (1995)

• Tese de Doutorado (2001)

• Tese de Livre-docência (2007)

 

Capítulos de Livro:

• "Fonética”, com P. Chagas. In J. L. Fiorin (ed.) Introdução à Linguística: princípios de análise 9-31. Contexto, São Paulo. 2003.
• "Fonologia”, com P. Chagas. In J. L. Fiorin (ed.) Introdução à Linguística: princípios de análise 33-58. Contexto, São Paulo. 2003.
• "Aquisição da Linguagem”. In J. L. Fiorin (ed.): Introdução à Linguistica: objetos teóricos 211-226. Contexto, São Paulo. 2002.
• “O acento e a aquisição da linguagem em português brasileiro”. In: Araújo, Gabriel Antunes. (Org.). O acento em português: abordagens fonológicas. 1 ed. São Paulo: Parábola, 2007, v. 1, p. 225-258.
• “The relationship between word prosodic structure and sentence prosody. (Non)evidence from Brazilian Portuguese”, com P. Fikkert. In: S. Baauw; J. van Kampen; M. Pinto (eds.) The Acquisition of Romance Languages. Selected Papers from The Romance Turn II. 1 ed. Utrecht: LOT Occasional Series, 2007, v. 1, p. 165-179.

 

Alguns artigos recentes:

• “Traces, pro and Stress Shift in Brazilian Portuguese”. In Journal of Portuguese Linguistics 1.1 Lisboa, Portugal. v. 2, n. 2, p. 101-113, 2003.
• "Retração acentual e verbos transitivos com leitura intransitiva". In Revista de Estudos Lingüísticos, UFMG, Belo Horizonte, 2004.
• “Bootstrapping in the acquisition of word stress in Brazilian Portuguese”. In
Journal of Portuguese Linguistics 2.1 Lisboa, Portugal. 2003.
• “Estratégias de aquisição para o acento primário no português brasileiro”. In Revista Letras de Hoje 131:171-189 PUCRS, Porto Alegre. 2003.
• "A aquisição da estrutura silábica e sua relação com o acento primário em português brasileiro". In Sínteses 7:309-323 UNICAMP, Campinas 2002.
• “Categorias sintáticas vazias e retração de acento em português brasileiro”. In DELTA 18.1:67-89. São Paulo. 2002.
• “A variação na aquisição de regras de sândi externo em português brasileiro”, com M. O. Komatsu. DELTA. Documentação de Estudos em Lingüística Teórica e Aplicada, v. 23, p. 223-244, 2007.
• Strategies for the acquisition of word stress in Brazilian Portuguese. Working
Papers in Linguistics - Leiden, Leiden - Holanda, v. 2, n. 1, p. 71-91, 2005.
• “The Phonological Bootstrapping of Determiners”, com E. M. Scarpa. Linguistics In Netherlands, John Benjamins Publishing Comp, v. 22, p. 165-178, 2005.
• “O Gerativismo e a questão do bootstrapping: uma retrospectiva”, com N. S. Sikansi. Revista de Estudos da Linguagem, 2005.

Disciplinas: 

Graduação:

• Elementos de Linguística I e II
• Fonética
• Psicolinguística - Aquisição da Linguagem
• Aquisição de Fonologia

Pós-Graduação:

• Fonologia Supra-segmental
• Psicolinguística - Aquisição da Linguagem